topo
Home > Artigos > Teologia > Cristãos e não-cristãos TODOS SÃO FILHOS DE DEUS?

Cristãos e não-cristãos TODOS SÃO FILHOS DE DEUS?

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 554/agosto 2008

Teologia

Em síntese: Há dois tipos de filiação divina entre as criaturas humanas: a natural e a sobrenatural. A primeira deriva do fato mesmo de que todos os homens são criados à imagem e semelhança de Deus. A segunda decorre do Batismo e da comunhão de vida mais estrita com as Pessoas divinas. Esta comunhão se faz mediante a graça santificante, que oferece ao homem a ocasião de crescente intimidade com Deus.

* * *

É freqüente a pergunta: todos os homens podem ser considerados filhos de Deus ou isto toca apenas aos cristãos? Visto que as respostas a propósito não costumam ser claras, vamos abordar a temática, notando, logo de início, que há dois tipos de filiação divina: a natural e a sobrenatural.([1])

1. Filiação natural

Todo ser humano, pelo fato de ter sido criado à imagem e semelhança de Deus, é filho de Deus. Os vestígios desta filiação se encontram na realidade mesma do ser humano: em todos existe a sede do Infinito ou do Absoluto (muitas vezes mal entendido), todo homem pode reconhecer Deus como o Autor deste mundo e Pai da sua vida. Com outras palavras: todo homem aspira a algo de melhor do que aquilo que ele tem,… aspira ao Bem que não se acaba, embora nem sempre saiba como atingir este Bem. Tais são as marcas do Criador ou de Deus, que se imprimem em toda criatura feita à imagem do Pai celeste.

Mais ainda: todo homem tem em si a capacidade de cultivar as quatro virtudes cardeais, que ajudam a atingir o Fim Supremo ou a caminhar corretamente neste mundo:

- a prudência, que sabe escolher os meios que levam ao fim e sabe evitar os obstáculos que a ele se oponham;

- a justiça, que procura dar a cada um o que lhe compete;

- a fortaleza, que robustece a vontade para que enfrente e supere os desafios da vida cotidiana;

- a temperança, que modera os apetites da pessoa e a torna equilibrada entre os atrativos da vida presente.

O homem que assim vive pode chegar a certo grau da perfeição, fazendo muitos esforços para tanto. Era essa perfeição meramente humana que os filósofos estóicos gregos e romanos desejavam alcançar mediante a prática da apatia (isenção de paixões), prática esta que os próprios estóicos julgavam muito difícil de ser sustentada.

Todavia é de notar que, mesmo antes de Cristo, podiam alcançar a salvação os homens e as mulheres que não conheciam o verdadeiro Deus sem culpa própria, mas viviam corretamente, seguindo os ditames de sua consciência cândida e sincera, julgando, com certeza subjetiva, que o erro era a verdade. Aplica-se aqui o princípio enunciado pela Constituição “Lúmen Gentium” como se acha no fim deste artigo.

2. Filiação sobrenatural

Deus quis elevar o homem ao estado sobrenatural – o que significa que lhe quis dar a possibilidade de contemplar face-a-face a Beleza Infinita. Elevou-o assim à filiação divina sobrenatural – Vejamos em que consiste.

2.1. O dom incriado

O dom incriado (não criado) é o próprio Deus, que se dá a nós como Hóspede da alma humana. Vejam-se os seguintes textos:

Jo 14, 23: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra e o meu Pai o amará e a ele viremos e faremos nele a nossa morada”.

1 Cor 3,16s: “Não sabeis que sois um templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destrói o templo de Deus, Deus o destruirá, pois o templo de Deus é santo e esse templo sois vós”.

1Cor 6, 19: “Não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que está em vós e que recebestes de Deus?”.

Os antigos Padres da Igreja comentaram freqüentemente este dom por excelência. Vejamos, por exemplo, S. Atanásio (t 373):

“Assim como somos filhos de Deus por causa do Verbo, que se fez um de nós, assim estamos nós no Filho e no Pai em virtude da presença do Espírito em nós (Contra os Arianos 25).

“Já que o Espírito vem a nós, vêem também o Filho e o Pai, e fazem em nós a sua morada. Pois indivisível é a Trindade, como indivisível é a divindade” (Carta a Serapião 6)

Mais recentemente o Papa Leão XIII (1878-1903) professava as mesmas verdades:

“Por sua graça Deus reside na alma do justo assim como em seu templo, de modo muito íntimo e especial. Disto decorre o vínculo de amizade que une estreitamente a alma a Deus, mais do que um amigo pode estar unido ao seu melhor amigo e a faz gozar de plena suavidade. Esta admirável união, chamada ‘in-habitação’ só difere do estado bem-aventurado dos justos no céu pelas condições ou circunstâncias em que se realiza. É produzida pela presença de toda a SSma. Trindade: ‘Nós viremos a ele e faremos nele nossa morada’(Jo 14, 23). Todavia de modo especial é atribuída ao Espírito Santo” (Ene. Divinum illud múnus).

Aprofundando estas verdades podemos dizer: por sua Encarnação, o Filho de Deus entrou na comunidade dos homens e fez-se irmão de todos nós. Mais: “a todos os que O receberam, deu o poder de se tornarem filhos de Deus, àqueles que crêem em seu nome” (Jo 1. 12). O Cristo comunica a seus fiéis (mediante o Batismo de água ou de desejo) o Espírito Santo, Espírito de adoção que nos estabelece numa relação filial com o Pai.

Rm 8, 15: “Não recebestes um espírito de escravo, para recair no tempo, mas recebestes um espírito de filhos adotivos, pelo qual clamamos: Abba, Pai”.

Por nossa união ao Verbo Encarnado somos feitos “filhos no FILHO”ou como diz São Paulo, membros do Corpo Místico, que nos torna em Cristo “um só Homem novo”:

Ef 2, 15: “Cristo suprimiu em sua carne a inimizade… a fim de criar em si mesmo um só Homem Novo”.

Somos filhos no Filho não somente por palavras, mas na realidade, diz São João:

“Vede que prova de amor nos deu o Pai: sermos chamados filhos de Deus. E na realidade nós o somos!” (Uo 3, 1).

Em verdade, “Deus nos predestinou a ser conformes à imagem do seu Filho, a fim de que seja Ele o primogênito de muitos irmãos” (Rm 8, 28).

2.2. O dom criado

Na Idade Média houve teólogos que afirmaram ser o Dom incriado (Jesus) diretamente o dispensador de todas as outras graças concedidas aos homens. Todavia esta concessão não prevaleceu por efeito do seguinte raciocínio: se alguém recebe o Dom incriado, isto não pode deixar de produzir enorme mudança em quem o recebe; Deus embeleza e ornamenta sua criatura enriquecida pela presença de tão honroso Hóspede; o “habitat” se torna refulgente e digno. É este dom de embelezamento que se chama “graça santificante” ou “graça habitual”; é o dom criado.

Graça santificante… porque contribui diretamente para a santificação do beneficiário e, indiretamente, para a santificação do próximo.

“Graça habitual”… não significa “costumeira”, mas indica um revestimento da alma muito precioso. Diz São Paulo: “Vós que fostes batizados, revestistes o Cristo” (Gl 3, 27).

A Escritura designa essa realidade nova como

- um renascimento; cf. Jo 3, 3-9;

- uma recriação; cf. 2Cor 5, 17s; Gl 6, 15; Ef 2, 8-10;

- uma participação da natureza divina, sem panteísmo nem fusão da criatura com o Criador; cf. 2Pd 1, 4. Essa participação, embora não equivalha ao panteísmo, não é mero acordo moral ou imitação de Deus (cf. Ef 5, 1s), mas é uma especial comunhão com a vida trinitária, que deve desabrochar em nosso íntimo até chegar à sua plenitude na visão beatífica (cf. 1Cor 13, 12; Uo 3, 1-3).

2.3. As virtudes infusas

Para que a criatura corresponda adequadamente à elevação ao plano sobrenatural, o Senhor Deus comunica-lhe as virtudes infusas, que predispõem a criatura a agir não apenas como vivente racional, mas como filho(a) de Deus, enriquecido(a) pela graça. Tais virtudes são:

1) teologais: regem nosso comportamento frente a Deus:

- fé, que, de certo modo, nos leva a conhecer Deus como Deus conhece a Si e as criaturas;

- esperança; a certeza de que Deus cumprirá suas promessas, levando nossa filiação divina a pleno termo;

- caridade, que nos faz amar como Deus ama justos e injustos.

2) cardeais: que habilitam a criatura a tratar os valores deste mundo não somente com bom senso, mas numa visão de eternidade, que pode parecer loucura ou escândalo aos olhos deste mundo (cf. 1 Cor 1, 22s). Ei-las:

- prudência, que dimensiona os meios que levam ao Fim supremo, podendo optar pela renúncia de si mesmo como um grande valor;

- justiça; que dá a cada um o que lhe compete, mas sabe abrir mão dos seus direitos em vista do Cristo, que se aniquila a Si mesmo para salvar os homens (cf. Fl 2, 5-11). – Exemplo multo claro desta santa renúncia encontra-se na parábola do credor implacável em Mt 18, 23-33: este tratou conforme a justiça do seu tempo o devedor insolvente, mas o rei não aceitou esse trato, porque ele (rei, que era figura de Cristo) havia perdoado a dívida desse mesmo insolvente frente ao rei.

- fortaleza, que leva a aceitar heroicamente a perda da vida para não trair o Cristo (martírio) ou a suportar com paciência silenciosa e robusta as inclemências desta vida;

- a temperança, que nos leva a ordenar nossos apetites sensíveis e pode sugerir o ideal da vida una ou indivisa por causa de Cristo.

Além de todo este equipamento espiritual, o cristão recebe no Batismo os sete dons do Espírito Santo, que lhe permitem captar o sopro do Espírito em situações que deixariam o bom senso natural e as virtudes infusas em estado de perplexidade… São eles:

- sabedoria: ter o gosto das coisas de Deus ou saber com sabor;

- inteligência: a compreensão do plano de Deus, que muitas vezes fica obscuro ao bom senso natural e mesmo à fé (acidentes, óbitos, fracassos…);

- ciência: ver este mundo como Deus o vê como expressão da sabedoria divina, que se espelha nas criaturas, donde dizer-se que este mundo é uma parábola;

- conselho: descoberta da solução para situações aparentemente insolúveis;

- fortaleza: especial robustecimento da nossa coragem humana e cristã;

- piedade: é o sentir-se filho(a) do Pai, com reverência e amor;

- temor de Deus, não o temor servil do escravo, mas o temor de quem ama e receia ofender o Amado.

Além destes dons, que são diretamente destinados à santificação do indivíduo beneficiado, existem os carismas, que têm em vista o serviço ao próximo:

- carismas ordinários: Facilidade para o magistério, a enfermagem, a administração, a paternidade, a maternidade…

- carismas extraordinários: línguas, curas, profecias…

Por último, ainda é de notar que não somente quem é batizado na água é beneficiário de tantos dons divinos, mas também o indivíduo que, sem culpa própria, ignora o Criador, mas se esforça por cumprir o que a sua consciência cândida e sincera lhe aponte como correto, pode chegar à vida eterna. Ver Constituição “Lúmen Gentium” no 16:

“Aqueles que sem culpa ignoram o Evangelho de Cristo e sua Igreja, mas com o coração sincero buscam a Deus e se esforçam, sob o influxo da graça, por cumprir com obras, sua vontade, conhecida pela voz da consciência, também esses podem alcançar a salvação eterna. Nem a Divina Providência nega os meios necessários à salvação àqueles que sem culpa, não chegaram ao conhecimento explícito de Deus, mas procuram com a graça divina, ainda viver retamente”.

Assim se entende que todos os seres humanos, de algum modo, podem ser tidos como filhos e filhas de Deus.


[1] Sobrenatural não quer dizer “milagroso ou maravilhoso”, mas é um conjunto de dons que habilitam o homem a atingira glória do céu ou a visão face-a-face de Deus - o que supera as exigências de toda criatura.





Deixe seu comentário!

Nome*:
Email*:
Site:
Mensagem:







Paróquia Santa Rita
Rua Dr. Rafael de Castro, n.º 222 - Santa Rita
Telefone: 73 3263 - 1044
plug21.com